Connect with us

Saúde

Mais de 2 milhões foram vacinados contra o coronavírus em 2020; veja ranking de países

Os seis países que aparecem em monitoramento da Universidade de Oxford são: China, Rússia, Reino Unido, Estados Unidos, Canadá e Israel. Mais de 2 milhões de pessoas foram imunizadas contra a covid-19 em 2020
Reuters
Mais de 2,3 milhões de pessoas de seis países foram vacinadas em 2020 com doses de imunizantes aprovados para uso emergencial ou definitivo. Esse total é equivalente ao tamanho da população da cidade de Manaus, por exemplo.
O monitoramento é feito pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, e pode ser acompanhado no portal Our World in Data por meio deste link aqui.
Os seis países que aparecem no levantamento são: China, Rússia, Reino Unido, Estados Unidos, Canadá e Israel.
Como a nova variante do coronavírus detectada no Reino Unido pode afetar o desenvolvimento das vacinas
Os dois primeiros usam vacinas autorizadas apenas por seus próprios governos. A Rússia, com os imunizantes criados pelo Instituto Vector e pelo Instituto Gamaleya (Sputnik V), e a China, com as vaci..

Publicado há

em


Os seis países que aparecem em monitoramento da Universidade de Oxford são: China, Rússia, Reino Unido, Estados Unidos, Canadá e Israel. Mais de 2 milhões de pessoas foram imunizadas contra a covid-19 em 2020
Reuters
Mais de 2,3 milhões de pessoas de seis países foram vacinadas em 2020 com doses de imunizantes aprovados para uso emergencial ou definitivo. Esse total é equivalente ao tamanho da população da cidade de Manaus, por exemplo.
O monitoramento é feito pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, e pode ser acompanhado no portal Our World in Data por meio deste link aqui.
Os seis países que aparecem no levantamento são: China, Rússia, Reino Unido, Estados Unidos, Canadá e Israel.
Como a nova variante do coronavírus detectada no Reino Unido pode afetar o desenvolvimento das vacinas
Os dois primeiros usam vacinas autorizadas apenas por seus próprios governos. A Rússia, com os imunizantes criados pelo Instituto Vector e pelo Instituto Gamaleya (Sputnik V), e a China, com as vacinas de três fabricantes: Sinopharm, CanSino e Sinovac (parceira do Instituto Butantan, em São Paulo).
Nenhuma das vacinas chinesas concluiu as três fases de estudos de segurança e eficácia que antecedem a aprovação por órgãos reguladores de outros países.
Reino Unido, EUA, Israel e Canadá começaram a distribuir o imunizante criado em parceira pela alemã BioNTech e a americana Pfizer. E apenas os EUA aprovaram e distribuíram a vacina da americana Moderna.
Um monitoramento da Universidade Duke, dos EUA, que pode ser acompanhado neste link, indica que os números devem começar a deslanchar pelo mundo depois da aprovação da vacina fabricada em parceria pela Universidade de Oxford e a farmacêutica sueco-britânica AstraZeneca, que já negociaram mais de 2 bilhões de doses com diversos países.
Apenas no Brasil, por exemplo, espera-se imunizar mais de 130 milhões de pessoas em 2021 com essa vacina Oxford/AstraZeneca, que seria fabricada no país em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Esse imunizante, no entanto, ainda não foi aprovado por nenhum órgão regulador do mundo.
Mais de 500 mil americanos já receberam a primeira dose da vacina contra a Covid-19
Imunização ainda engatinha
Em números absolutos, o país com mais pessoas vacinadas é a China, com 1 milhão de imunizados. Isso representa, no entanto, cerca de 0,07% de sua população, que beira os 1,4 bilhão de habitantes.
O governo chinês pretende escalar rapidamente a imunização no país. Segundo reportagem do jornal South China Morning Post, o país começou os preparativos para vacinar 50 milhões de pessoas contra o coronavírus antes do pico das viagens ligadas ao Ano Novo Lunar chinês, em meados de fevereiro, período em que geralmente centenas de milhões de pessoas viajam dentro da China.
As 100 milhões de doses previstas seriam distribuídas até 15 de janeiro (primeira aplicação) e até 5 de fevereiro (segunda aplicação de reforço) pelas fabricantes Sinovac e Sinopharm, esta responsável por grande parte das 1 milhões de doses aplicadas até agora.
Em segundo lugar no ranking de números absolutos, aparecem os EUA, com 556 mil pessoas imunizadas, ou 0,17% de sua população de quase 330 milhões de habitantes. Um deles foi o presidente eleito, Joe Biden, que foi imunizado ao vivo na televisão, assim como o atual vice-presidente, Mike Pence.
Em terceiro aparece o Reino Unido, primeiro país ocidental a autorizar o uso de vacinas. Até agora foram imunizadas cerca de 500 mil pessoas no país. Isso representa o maior número relativo de vacinados, 0,74% da população de quase 68 milhões de pessoas.
O Reino Unido pretende imunizar até a Páscoa, em abril, grande parte dos mais vulneráveis pela doença, incluindo 12 milhões de pessoas com mais de 65 anos. Mais de 90% das mortes no país atingiram essa faixa etária.
Em seguida aparecem no ranking Rússia, com 200 mil pessoas imunizadas (ou 0,14% do total), Canadá (17,6 mil pessoas, ou 0,05% do total ) e Israel (10 mil pessoas, ou 0,12% do total).
Outros países já aprovaram vacinas e estão em vias de começar a imunização com a vacina da BioNTech/Pfizer como Singapura, Chile, México, Emirados Árabes Unidos e os 27 integrantes da União Europeia.
Essa dupla de fabricantes já negociou mais de 700 milhões de doses, mas o Brasil ainda não fechou contrato com eles primeiro por falta de interesse e depois por “entraves jurídicos”, segundo palavras do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. O país resiste à exigência das duas empresas de serem blindadas contra eventuais processos judiciais.
Países ricos com excesso de doses garantidas
Países ricos estão reservando para si mais doses do que de fato precisam das vacinas contra a covid-19, o que vai deixar desamparada a população de países mais pobres, adverte a coalizão People's Vaccine Alliance (Aliança da Vacina do Povo, em tradução livre, grupo que reúne organizações como Oxfam, Anistia Internacional e Global Justice Now).
O grupo estima que quase 70 países de baixa renda só conseguirão vacinar 1 em cada 10 de seus cidadãos, mesmo que os criadores da vacina de Oxford/AstraZeneca terem prometido ofertar 64% de suas doses a países em desenvolvimento.
Estima-se também que pelo menos um quarto da população global só vai começar a receber vacina em 2022.
Mas nem todas as candidatas a vacina conseguirão passar com sucesso por todos os testes, e os países mais ricos buscaram ampliar o leque de possibilidades.
O Canadá, por exemplo, encomendou número de doses o bastante para imunizar seus cidadãos cinco vezes.
A União Europeia garantiu 1,5 bilhão de doses, sendo que sua população somada não passa de 450 milhões de pessoas.
Outro exemplo vem da vacina da Pfizer/BioNTech: segundo a Global Justice Now, mais de 80% das doses foram compradas em antecedência por governos que reúnem apenas 14% da população global.
Até agora mais de 8 bilhões de doses foram negociadas, e o dobro disso seria necessário para imunizar a população mundial inteira.
O Brasil planeja distribuir em 2021 ao menos 260 milhões de doses da vacina de Oxford/AstraZeneca e 46 milhões da Sinovac. A Universidade Duke contabiliza também outras 50 milhões de doses da Sputnik V, do instituto russo Gamaleya, mas contratos negociados com Estados ainda não foram concluídos.
VÍDEOS: novidades sobre a vacina

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Curitiba registra 23 mortes por Covid-19

Publicado há

em

Foto: reprodução

Curitiba registrou, no domingo (3/1) e nesta segunda-feira (4/1), 726 novos casos de covid-19 e 23 óbitos de moradores da cidade infectados pelo novo coronavírus, conforme boletim da Secretaria Municipal da Saúde. Onze desses óbitos ocorreram nas últimas 48 horas.

As vítimas são 13 homens e 10 mulheres, com idades entre 46 e 94 anos. Até agora são 2.272 mortes na cidade provocadas pela doença neste período de pandemia.

Novos casos

Com os novos casos confirmados, 112.419 moradores de Curitiba testaram positivo para a covid-19 desde o início da pandemia, dos quais 104.186 estão liberados do isolamento e sem sintomas da doença.

São 5.961 casos ativos na cidade, correspondentes ao número de pessoas com potencial de transmissão do vírus.

UTIs do SUS

Nesta segunda-feira (4/1) a taxa de ocupação dos 374 leitos de UTI SUS exclusivos para covid-19 está em 80%. No momento restam 74 leitos livres.

 

Números da covid-19 em 3 e 4 de janeiro

726 novos casos confirmados
23 novos óbitos (11 nas últimas 48h)

 Números totais

Confirmados – 112.419
Casos Ativos –  5.961
Recuperados – 104.186
Óbitos – 2.272

Continue Lendo

Saúde

Nove estabelecimentos na capital são fechados após fiscalização

Publicado há

em

Foto: Isabella Mayer

Nos últimos cinco dias, durante as ações de fiscalização da virada do ano, a força-tarefa formada por equipes da Prefeitura de Curitiba e do Governo do Estado, percorreu diferentes bairros da cidade com ações para coibir excessos, evitar aglomerações e a falta de adequação às medidas anti-covid. Durante as incursões, realizadas entre 30 de dezembro e 3 de janeiro, 50 estabelecimentos foram vistoriados ou inspecionados e nove deles acabaram interditados por descumprimento ao decreto 1.710, de 17 de dezembro.

O decreto estabelece medidas restritivas a atividades e serviços para o enfrentamento da Emergência em Saúde Pública, de acordo com o quadro epidêmico do novo coronavírus na cidade. A situação atual é de Risco Médio de Alerta – Bandeira Laranja.

Tiveram as atividades encerradas durante ações da Aifus-covid (Ações de Fiscalização Integradas) um bar e mercearia no Butiatuvinha, um restaurante, bar e Lanchonete no Água Verde, uma casa de festas, eventos e casa de massagens no Parolin, um restaurante e pizzaria no Tingui, dois bares no Batel, além de bares no Centro, Cajuru e Barreirinha.

Quatro estabelecimentos foram notificados para adequação à Resolução 1/2020: um bar e comércio varejista de bebidas no São Braz, uma pizzaria no São Braz, uma lanchonete e restaurante no Bigorrilho, além de uma loja de departamentos no Parolin. Em dois locais foram expedidas notificações por comércio irregular.

Auto de infração

Os técnicos da Vigilância Sanitária inspecionaram 15 estabelecimentos entre farmácias, supermercados, restaurantes, comércios de bebidas nos bairros Portão, Matriz e Santa Felicidade. Um auto de infração foi emitido.

Todas as ações de fiscalização e inspeção foram focadas especificamente no cumprimento dos protocolos de prevenção ao novo coronavírus, como distanciamento social e uso de máscara e outras regras sanitárias. Novas ações serão realizadas ao longo desta semana.

Desde o início do combate ao novo coronavírus as equipes da Prefeitura já fizeram 35.809 ações de inspeção ou fiscalização. As fiscalizações e inspeções são pautadas a partir das denúncias feitas pela população, por meio da Central e aplicativo 156.

Natal

As ações realizadas na semana do Natal, de 23 a 27 de dezembro, resultaram em 15 estabelecimentos fechados e notificados por estarem em desacordo com as normas vigentes no município para evitar a propagação do novo coronavírus. Ao todo, nesse período, foram vistoriados 39 estabelecimentos pelas equipes da Prefeitura, Polícia Militar e Guarda Municipal.

Entre os locais interditados estão bares, lanchonetes, restaurantes, pizzaria, tabacaria, mercado, distribuidora de bebidas, entre outros, nos bairros São Francisco, CIC, Portão, Centro, Campo Comprido, Santa Felicidade, Rebouças, Xaxim, Água Verde.

As Aifus (Ações de Fiscalização Integradas) são ações diárias e regionalizadas, formadas por equipes da Guarda Municipal e Urbanismo, com Policia Militar, Corpo de Bombeiros. As ações são direcionadas a bares e casas noturnas, em locais com histórico de aglomerações, notadamente bares e regiões que concentram grande número desses estabelecimentos.

A Vigilância Sanitária e Guarda Municipal, por sua vez, realizam ações voltadas para o comércio: restaurantes, lanchonetes, shoppings, galerias, farmácias, supermercados e lojas, principalmente as de departamento.

Continue Lendo

Saúde

Preparou as metas para 2021?

Publicado há

em

Foto: reprodução

Para isso vamos te ajudar facilitando muitas coisas que você pode fazer para aprimorar nesse aspecto, sem ter que gastar “rios de dinheiro”, e nem ter que dedicar horas a fio, para fazer sua série de exercícios.

Começamos por agendar um tempo no fim de semana para brincar com seus filhos… isso mesmo! gaste calorias, jogando bola, pulando corda, patinando, andando de bicicleta, enfim… fazendo o que você gosta e até mesmo esqueceu como se faz.

Além de tomar sol e respirar ar mais puro, você vai se sentir muito mais feliz, fazendo alguém importante, feliz também.

Reserve um tempo também para as melhores escolhas no supermercado, para facilitar no momento daquela fominha… pois se você tiver algo saudável para comer, há grandes chances de você se manter focado.

As pessoas acabam comendo biscoitos e hambúrgueres, por não terem opção melhor na hora da fome. Infelizmente, muitas vezes não é por gostar, mas por ser mais rápido e estar ao alcance das mãos…

Durante a semana, agende 15 minutos de exercícios antes do horário do banho… que tal uma sessão de abdominais, ou alongamentos?

Vou deixar uma série de abdominais para você criar coragem, e iniciar o ano bem… vai te dar muita sorte, eu garanto!

Sim! Com apenas 15 minutos dentro das 24h do seu dia, e você vai ver mudanças maravilhosas acontecerem na sua saúde.

Clique para assistir!

 

Essas são apenas algumas sugestões para que você inicie 2021, lapidando sua vida e transformando pequenos hábitos em grandes mudanças.

Quer saber mais sobre:
Exercícios,
Emagrecimento e
Qualidade de Vida?

Me manda sua pergunta e vamos te ajudar nessa jornada, venha!

Denize Camilo
@denizecamiloultrarunnertreinaer

Continue Lendo

Em alta